quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A fera de Gévaudan


Em junho 1764 na floresta de Merçoire perto de Langogne na parte oriental de Gévaudan, uma mulher viu, derrepente uma grande besta que a carregou. A salvação dela foi os touros que ela cuidava que mantiveram a fera afastada repelindo-a com seus chifres.
Nos seguintes meses o terror varreu a região. A besta aproveitou de presas faceis - mulheres e crianças, e também homens solitários que cuidavam de animais domésticos no pasto - frequentemente atacava a cabeça de suas vítimas. Muitos que foram devorados foram levados para lugares distantes.
O que parece mais um mito de feras selvagens (Chupa-cabras, Pé Grande, etc), na realidade pode ter sido um fato verídico, já que o próprio rei da França ordenou para que o exército caçasse esta tal fera. La Bête,(a besta) como ficou conhecido, teria sobrevivido por vários  anos e teria matado mais de 100 pessoas e ferindo 30, sem contar os animais e o gado...
Acreditavam ser um lobo gigante, ou um monstro pré-histórico, o fato é que caçadores acertaram mais de 20 tiros para derrubar a fera, que fugiu ensangüentada. Devi do o terror que causou a população fancesa, que tinham medo de sair de casa, o rei Luis XV, enviou seu melhor caçador, Martin Denneval, que não teve sucesso em sua empreitada, sendo substituído por M. Antoine de Beauterne, o melhor atirador do Império Francês, este teria capturado um lobo gigante em 21 de setembro de 1765. Hoje, o corpo da fera esta exposto no The Natural History Museum of Paris, na França, mas segundo testemunhas, não era o corpo da fera e sim uma montagem, já que as estranhas mortes continuaram. Após algum tempo sem mortes, a besta voltou a atacar, então um homem chamado  Jean Chastel, se armou com 3 balas de prata abençoadas por um padre na  paróquia local, matando o animal no dia 19 de junho de 1767 e elevando para o rei. Mas o corpo do animal não pode ser identificado pois já estava em estado de decomposição, devido o tempo que levara para chegar à capital francesa. Testemunhas que viram a La Bête, disseram que o animal  não era um lobo e não se parecia com nada que conheciam. logo após receber a recompensa,  Jean Chastel sumiu da França e a identidade do animal nunca pôde ser confirmada. A notícia da la Bête foi amplamente divulgada no Avignon Gazette, The Paris Gazette, Saint James' Chronicle - este noticiou que esse animal seria de uma nova espécie - e em outros jornais da época; distribuíram cartazes e vários escritores publicaram livros baseados na história da la Bête. 

Hoje, pesquisadores, estudantes e interessados estudam documentos arquivados nas cidades como Clermont-Ferrand e Montpellier, para desvendarem esse intrigante mistério da história francesa. Até hoje, historiadores, zoólogos e outros cientistas estudam o fato, que continua no mais completo mistério. Na atualidade, os pesquisadores acreditam que era um serial killer cometendo assassinatos, aproveitando-se da presença dos lobos na região.
Em 2001 foi produzido um filme sobre a história da fera de Gévaudan chamado O pacto dos lobos (Le pacte des loups), que conta um pouco deste intrigante mistério. Abaixo segue o trailer do filme e um link para quem se interessou pelo mistério.
Para saber mais:

5 comentários:

gracy disse...

parece que o monstro era um animal hibrido,ou então um animal pré-historico que sobreviveu oculto nas frorestal francesas até o seculoXVIII,possivelmente um ANDREWSARCUS,essasas hipoteses são bem prováveis

Anônimo disse...

Já li sobre isso em sites sobre criptozoologia, onde se referem a esta besta como precursora do mito do lobisomem. A explicação mais possível é mesmo que fosse um de espécie muito primitiva. Já fizeram até um filme sobre o assunto, "A irmandade dos Lobos"

Ana disse...

Queria ler algo sobre Marie-Jeanne Valet mas nunca achei nada sobre ela... pelo que eu vi, existe uma estatua mostrando ela matando a Besta mas tudo o que eu leio nada fala sobre ela ;-;

Anônimo disse...

Também gostaria de saber mais sobre Marie-Jeanne Valet , queria saber se foi ela quem matou a besta (lobo) pois só a relatos de Jean Chastel que teria matado a besta com as balas de prata

Anônimo disse...

Para o pessoal que está procurando a tal da Marie-Jeanne Valet... ELA NÃO EXISTIU!

Postar um comentário